sangrar

Resultado de imagem para paintings dorothea tanning
Children’s Games (1942) – Dorothea Tanning

 

Fiquei cheia lendo Joyce. Um derramamento de concreto em meu cérebro, um concreto que nunca seca, e agora sei bem que eu sou possível. Apesar desse medo de estar louca, sou possível. Eu faço da loucura artefato. Tenho-a em minhas mãos, veja só, mas nunca a toquei.

Quando menstruo tudo fica mais absurdo. Parece que ser mulher é seguir em frente enquanto se desanda. Tenho vontade de chorar e um intelecto invejável. Há tempos me dispo da culpa cristã que nos aperta num espartilho de falsa modéstia. Tenho vontade de chorar e de criar mil obras bonitas. Eu sou aquela e sou a outra, a desconhecida. Tenho vontade de chorar e sangro e penso e crio e aprendo e reinterpreto. Agradeço a Joyce e aos outros grandes homens que me inspiram, mas não havia vontade de chorar nem sangue fértil em suas letras. Tenho vontade de chorar e de ser grande sem ser monumento. Tenho vontade de chorar e de sangrar a noite infinda.

Abraçar o que me sobra. Tudo que me resta é abraçar o que me sobra. Queria deixar o não-saber intocado e criar adornos para meu mistério. Toda a literatura é uma tentativa de reverenciar esse segredo que nos perpassa. O que é ser humano? O que é saber que se foi gerado? O que é comer dentro de um útero? O que é esse falar que tanto teme a inevitabilidade da víscera? Tenho vontade de chorar e meu corpo sabe mais de poesia que qualquer tratado literário.

Toda minha literatura tem aguardado a pergunta correta. Virá em forma de lágrima e terá gosto de gozo. Da fantasia infantil ao diário explosivo, vi-me esculpir as arestas falhas desse corpo. Tenho vontade de chorar e sangro em palavra. Eu não quero ser um deles porque eles não sabem desse sangue. Eu não quero ser um deles porque sou dela. Não delas, pois cada uma é um ensimesmar-se. Sou dela, a que mora em mim, e tenho vontade de chorar. Há algo que ninguém diz que eu também quero não dizer, mas será um outro não dizer, um não dizer com essa carne que me pertence. Descobri que sou carne e tenho vontade de sangrar.